Todas as Cidades
Histórico
Chuvas

Projeto Escola no Campo reúne 14 municípios na Cotrijal

09/04/2009

O projeto, que dissemina o crescimento econômico com a capacidade de manutenção dos recursos naturais, dando ênfase à utilização correta dos defensivos agrícolas e dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI), já é uma realidade há 8 anos. O mesmo projeto ocorre em outros estados do Brasil. No Rio Grande do Sul, uma das Cooperativas escolhidas foi a Cotrijal Cooperativa Agropecuária e Industrial. MAIS DE 10 MIL CRIANÇAS Mais de 10 mil crianças já foram treinadas nos municípios de Não-Me-Toque, Colorado, Victor Graeff, Tio Hugo, Lagoa dos Três Cantos, Almirante Tamandaré do Sul, Carazinho, Coqueiros do Sul, Santo Antônio do Planalto, Saldanha Marinho, Nicolau Vergueiro e Ernestina. Para esta edição do Projeto foram convidados representantes da 7a Coordenadoria Regional de Educação do município de Passo Fundo e representantes da Secretaria de Educação de Mato Castelhano, totalizando, assim, o desenvolvimento do Projeto nos 14 municípios de abrangência da Cotrijal. O projeto Escola no Campo é desenvolvido em sala de aula para os alunos da 5a série do Ensino Fundamental, onde os estudantes trabalham conteúdos programáticos, baseados numa cartilha criada especificamente para o Projeto. Paralelo a isso acontecem entrevistas com os produtores rurais sobre a aplicação dos defensivos agrícolas, palestras com a bióloga da Cotrijal, Michelle Valiati e apresentação de uma peça teatral com a Troupe de Atores da Cotrijal. Ao final do ano letivo, os alunos desenvolvem frases e desenhos, concorrendo a prêmios.
APOIO O gerente de Desenvolvimento Cooperativista, Enio Schroeder, afirma que o Escola no Campo é um projeto completo. "Em parceria com a Syngenta, repassamos o projeto para as Secretarias de Educação e os resultados são surpreendentes. Os alunos e as famílias estão dando um retorno positivo sobre o conteúdo apresentado", lembra. Para o gerente de Produção da Cotrijal, Gelson Melo de Lima, o trabalho é "uma contrapartida da Syngenta, que orienta e conduz à utilização racional dos defensivos agrícolas. Apoiamos o projeto", diz. Para a coordenadora de Educação da Prefeitura de Não-Me-Toque, Leiva Grunitzky, o projeto é de extrema importância, principalmente para a região de abrangência da Cotrijal, por estar diretamente ligado à agricultura. Já a bióloga Michelle adianta que: "o projeto é muito importante, porque é um trabalho de ensino ambiental. Estamos ensinando as crianças desde cedo sobre a utilização correta dos defensivos agrícolas, uso de EPI’s e valorizando a qualidade de vida. Outro ponto importante repassado diz respeito à época certa para a aplicação dos produtos. No projeto eles aprendem que só é permitido aplicar após concluir 18 anos", argumenta. SYNGENTA O representante técnico de vendas da Syngenta, Luciano Marquetti dos Santos, ressalta que é muito relevante a participação da Cotrijal. "Sozinhos, sem o apoio da Cooperativa e das Prefeituras, não chegaríamos tão longe", diz. O Projeto, que surgiu em 1991, na cidade de São Paulo, ressalta, entre seus objetivos: conscientizar as crianças de que não se deve manusear agrotóxicos antes da maior idade; educar alunos do meio rural, conscientizando-os da importância de preservar o meio ambiente; a importância de produzir alimentos saudáveis; conscientizar os adultos através das crianças e que as crianças tenham orgulho de ser da área agrícola.