Todas as Cidades
Histórico
Chuvas

Fórum Nacional da Soja discute desafios e novos mercados

08/03/2022

Fórum Nacional da Soja discute desafios e novos mercados

A estiagem, as consequências da guerra Rússia x Ucrânia e as novas possibilidades de negócios foram alguns dos assuntos abordados pelos especialistas no 32º Fórum Nacional da Soja, na manhã desta terça-feira (8), na 22ª Expodireto Cotrijal. O evento teve participação presencial, no auditório central do parque, e neste ano trouxe como novidade a possibilidade de acompanhar a programação de forma online, ao vivo, através da plataforma Expodireto Digital, para quem adquiriu ingresso antecipado.

O diretor do Instituto Ciência e Fé e pesquisador da Embrapa Territorial, Evaristo Eduardo de Miranda, abriu o fórum com a palestra “A sustentabilidade da agropecuária frente as incertezas climáticas”. Miranda ressaltou que, em cinco décadas, o Brasil foi capaz de criar um modelo sustentável e competitivo de agricultura tropical, sem paralelo no mundo. O plantio direto e a fixação biológica de nitrogênio no solo estão entre as técnicas utilizadas que produziram o avanço.

“Poupamos desmatamento com crescimento vertical (na agricultura)”, disse Miranda.

Ao abordar a adaptação da agropecuária às incertezas climáticas, o pesquisador explicou que não há tecnologia que funcione sempre e em qualquer condição (territorial).

“A irrigação precisa ser colocada como destaque. É o que garante qualidade e padrão de produção. Agora, as dificuldades enfrentadas com intervenção do Ministério Público e órgãos ambientais para os produtores armazenarem água são dramáticas. Não é só falta de recurso. Quem tem recurso encontra dificuldades enormes. Isso precisa ser colocado em debate. Tem que haver mudanças”, disse Miranda.

Foco na África e na Índia

O professor sênior de agronegócio global do Insper e coordenador do Centro Insper Agro Global, Marcos Sawaya Jank, ministrou a palestra “A inserção global do agronegócio brasileiro em tempos turbulentos (guerra Ucrânia x Rússia)”. Jank afirmou que os futuros clientes da soja brasileira são África e Índia, regiões onde haverá um aumento de população.

“Deveríamos estar preocupados com o que está sendo falado com os chineses, indianos e africanos. Esses serão os grandes clientes do futuro”, disse o professor.

Jank também ressaltou que a grande revolução que o Brasil realiza, atualmente, é a integração lavoura-pecuária. A técnica permitirá o crescimento da agricultura em áreas de pasto.

Por outro lado, o professor aponta que a Rússia tem condições de ser o grande concorrente do país no futuro, já que possui energia barata e reservas de gás natural e petróleo, fatores essenciais para a produção de fertilizantes. Além disso, existe a possibilidade pós-guerra de os russos controlarem a produção agrícola da Ucrânia, quarto maior exportador mundial de soja e milho e quinto maior exportador de trigo.

Em relação aos preços agropecuários, Jank listou como fatores de crescimento o aumento da demanda global, especialmente, na Ásia e China; preços internacionais ainda em alta; estoques mundiais baixos; e desvalorização cambial (R$/dólar). Em relação aos fatores de risco, o professor apontou a inflação de alimentos no mercado; perda do poder aquisitivo da população brasileira pós-covid; forte aumento no preço de insumos (fertilizantes e defensivos) e riscos reais de desabastecimento; e a dificuldade de reposição de máquinas e equipamentos.

Produtores em busca de informação

João Maldaner, de Lagoa dos Três Cantos, foi um dos agricultores que acompanhou as palestras. Sua expectativa era buscar informações sobre a consequência da guerra entre Rússia e Ucrânia, além dos fatores que podem movimentar a questão do preço dos grãos. Maldaner está entre os produtores que sofreram com a estiagem da atual temporada.

“As cultivares plantadas mais cedo, no final de outubro, tiveram maior problema com a estiagem e vão chegar a no máximo 10 sacas por hectare. As cultivares mais tardias possuem um desenvolvimento razoável, mas vamos atingir de 30 a 40 sacas/ha. É um ano de aprendizado. Nem todos os anos a produção é mil maravilhas. Temos anos difíceis também”, relata Maldaner.

Quem vive situação semelhante é o produtor Flávio Cofferri, de Colorado. No Fórum Nacional da Soja, ele buscou conhecimento para se tornar o mais assertivo possível com o resultado de sua lavoura.

“Tem muitos fatores que influenciam na nossa tomada de decisão e, diariamente, tudo muda com os conhecimentos mundo afora. Precisamos participar para ter uma ideia melhor e ser o mais assertivo possível no nosso negócio”, disse Cofferri.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Expodireto Cotrijal